segunda-feira, junho 21, 2010

Realidade e Ficção



O escritor cubano Carlos Alberto Montaner reproduz a definição sobre o presidente Lula que ouviu de um presidente latino-americano:

"Esse homem é de uma penosa fragilidade intelectual. Continua sendo um sindicalista preso à superstição da luta de classes. Não entende nenhum assunto complexo, carece de capacidade de fixar atenção, tem lacunas culturais terríveis e por isso aceita a análise dos marxistas radicais que lhe explicam a realidade como um combate entre bons e maus."

Está aí, uma definição real e sintética do nosso presidente.
Só num país de beócios, cuja imprensa esquerdista é, além de tudo míope, que se cria e louva a ficção desta triste realidade que é o atual presidente dos brasileiros. Não é trocando o guarda roupa e aparando a barba que se muda a essência de alguém. Lula só tem crédito onde não interferiu. Onde pôs a mão, sujou! E, não fosse o período de prosperidade mundial coincidente com os seus mandatos, a história da sua popularidade seria outra...

A informação original foi extraida da coluna de Dora Kramer de 13/03/2010. Editada e comentada pelo Freeman.

Um comentário:

Star disse...

É Free, o nível dos jornalistas anda na medida de Lula, Chavez, Morales, Ahmadinejad, Obama, Berlusconi... acho que é o tempo dos inúteis, loucos e mediocres...
Boa semana
Bjs