sábado, abril 01, 2006

2006 - De volta ao Passado

Caros Leitores:
Vejam se há algo familiar neste texto.
Será que os políticos brasileiros são incapazes de mudar o seu comportamento? Será que teremos algum futuro político decente? Será esta a nossa sina?


"31 de Março de 1964"

Creio não ser apenas eu a sentir profunda amargura e decepção com o panorama político da Nação.
Há 20 anos, com o movimento de 31 de março, acalentávamos a esperança de que, finalmente, o “País do futuro”, “o gigante deitado em berço esplêndido”, despertaria.
A expectativa geral que uma nova era diametralmente oposta à demagogia populista, à barganha eleitoreira, ao empreguismo, à ineficiência e à corrupção, estava começando.
Esperava-se, em primeiro lugar, que fosse dada ênfase à identidade de um Sistema de Governo representativo, baseado, sem sofismas, na liberdade individual, no ideal do Estado de Direito, e na doutrina da separação (efetiva) de Poderes. Esperava-se que após breve período, pautado sobretudo pelo exemplo, o processo democrático de escolha e rotatividade no poder fosse restabelecido. E ainda fosse estimulada, pela postura do novo ambiente político, a criação de novas lideranças, que nada tivessem a ver com o passado corrompido e viciado. Tinha-se como certo que o novo governo se pautaria, no mínimo, pela seriedade política e pela lisura, no trato da coisa pública. Parecia ter chegado o tempo de responder a "afronta" do velho general francês: "Ce n’est pás un Pais serieux."
Doce ilusão de um jovem apaixonado pelo seu país! Porque nada disso foi feito!
Todos da minha geração, todos os cidadãos conscientes que criaram o espírito e fizeram florescer o movimento de 64, justamente para dar um basta ao statu quo, da época, estão frustrados. Uma geração inteira acabou sendo alienada sob um falso moralismo. Foi marginalizada da crítica e da participação.
Hoje as semelhanças se confundem pelos que querem perpetuar-se no poder. Só eles, acastelados e guarnecidos por um infinito arsenal de medidas de exceção criadas justamente pelo domínio espúrio do Executivo sobre o Legislativo e sobre o Judiciário, só eles não se aperceberam que massacravam o espírito de 64 e estão completamente divorciados na Nação.
A verdade é que a revolução foi usurpada. Tutelada sob falsos pretextos, degenerou-se, corrompeu-se, faliu como ideal. Faliu também como processo, pois precisou mudar, a cada vez, as regras do jogo político, para parecer vitoriosa. E além do fracasso político, temos o econômico. Crescimento? Sim, houve. Mas à custa de que e de quem? Endividaram este país em cem bilhões de dólares! Ao invés da austeridade e racionalidade preconizadas, seguiu-se a megalomania desenfreada! O Estado avançou em tudo e em todos! Baseado num crescente e escorchante sistema de tributação, que, no final das contas, sobrecai no cidadão produtivo e na livre empresa, criaram uma enorme máquina estatal que, sistematicamente, precisa cobrir rombos das suas grandiosidades inoperantes e dos seus mamutes ineficientes.
Nenhum governo decente sobre a face da Terra, em tempo algum, dispôs de tantos instrumentos de intervenção na economia. E entre a ineficiência e o desperdício floresceu, neste país, uma entourage arrogante, singular, que além da incompetência (O Brasil é uma ilha de prosperidade), primou-se por fazer prosperar as mordomias, a especulação e os escândalos. Como se não bastasse, manipulou dados das contas nacionais e sonegou informações de interesse público. Tudo isso, impunemente, como se estivessem numa monarquia absolutista, ou na ditadura de Moscou.
Será que os governos, pós-Castelo Branco, perderam o apoio da Nação porque as medidas impopulares precisaram ser tomadas?
Não senhores!
Perderam pela insensibilidade, por incompetência, e pela cumplicidade com a impunidade! E não por ironia do destino, mas como conseqüência lógica dessa insensibilidade, estão aí, de volta, inúmeros nomes comprometidos com o passado a gritar palavras de ordem de cunho democrático e de probidade, como se tivessem autoridade moral para isso.
Como bem disse um verdadeiro patriota: José Celso de Macedo Soares Guimarães que, por ousar manifestar a verdade, foi acusado de conspirar contra a segurança nacional.
"Não foi para isso que fizemos a revolução. Muito pelo contrário, foi para sobrepor a lisura pública à corrupção. Foi para permitir a crítica livre e responsável, foi para implantar a eficiência e afastar a incompetência... Foi para criar o progresso dentro da ordem, mas sem sacrificar as liberdades... Foi para restaurar a verdadeira democracia, pois só o exercício continuado de soberania popular aperfeiçoa o comportamento político dos cidadãos..."
Por tudo isso, meus amigos, é que passados 20 anos, aquele orgulhoso 31 de março transformou-se num pesadelo, num gosto amargo, naquela sensação vazia do engodo, de que fomos passados para trás, talvez, na verdade, por um 1º de abril.

Este artigo foi publicado originalmente em 1984.
A pintura é uma outra obra maravilhosa de Velasquez.

6 comentários:

Jorge Nobre disse...

O que me fascina: as mesmas pessoas que exaltam as boas intenções das revoluções comunistas desprezam as boas intenções do movimento de 64.

Fascina-me pelo cinismo, essas pessoas. E pela moral deformada, e pela inteligência embotada. Não há boas intenções fora da esquerda para eles.

Gusta disse...

Está difícil ter alguma esperança.

Abs

Anônimo disse...

Hallo I absolutely adore your site. You have beautiful graphics I have ever seen.
»

Anônimo disse...

Hey what a great site keep up the work its excellent.
»

Anônimo disse...

I have been looking for sites like this for a long time. Thank you!
» » »

Anônimo disse...

Cool blog, interesting information... Keep it UP Fasting for weight loss blood pressure natural botox montreal Lcd alarms healthcare aetna health insurance